Antes de comprar verifique

  • Procure bolhas e descascados nas películas que cobrem o vidro blindado, que não podem exceder a 1 centímetro quadrado. Trincas de até 3 centímetros de comprimento na parte interna são aceitáveis. Se for na parte externa, há a necessidade da troca do vidro.
  • A Blindagem representa um peso extra entre 120 e 170 quilos, em média. Isso significa que amortecedores e freios podem estar mais desgastados que o normal ou até no fim da vida útil.
  • Para não abrir nunca as janelas, o ar-condicionado precisa estar em ordem. Cheque a eficiência do sistema.
  • Quanto ao nível de proteção, mais de 95% das blindagens do Brasil é do tipo III-A, para munição de até 9 milimetros e Magnum .44, suficiente para resistir a toda arma de mão. A de nível II suporta até 9 milimetros e .357 Magnum.
  • Descubra se há aros metálicos nas rodas (dentro dos pneus), que permitem ao motorista dirigir por mais de 15 quilometros com pneus vazios. Com certeza esse carro vale mais. Cheque no certificado ou na própria blindadora.
  • Uma tira de aço sobreposta impede que a bala entre no carro pelo espaço entre o vão da porta e o batente. Essa tira de reforço é chamada de overlap ou frame. Confira com a blindadora se seu carro a possui.
  • Como o carro é todo desmontado para a blindagem, pode haver peças de acabamento soltas. Um test-drive pode denunciar ruídos de peças mal colocadas. Confira se as borrachas de vedação estão perfeitas, para evitar futuras infiltrações.
  • Pergunte à empresa que blindou o carro se ela protegeu maçanetas, ancoragem do cinto e fixação do retrovisor, áreas que nem sempre são blindadas. Qualquer lugar desprotegido pode ser um ponto de entrada para uma bala.
  • Descubra se todas as partes opacas estão protegidas com chapas de aço ou manta balística. Empresas menos cuidadosas não blindavam colunas, a divisão entre motor e cabine e a separação entre porta-malas e banco traseiro.
  • Teste todos os botões do vidro elétrico. Com o excesso de peso, alguns podem deixar de funcionar.
  • Dê preferência aos automáticos, modelos mais valorizados no mercado, que apresentam maior liquidez e recomendados em casos de emergência, pois não há risco de deixar o carro morrer numa fuga.

Para durar mais

  • Nunca feche a porta com a janela aberta, pois há o risco do vidro trincar.
  • Não deixe as portas abertas mais do que o tempo necessário para entrar ou sair. O excesso de peso pode desalinhá-las.
  • Nunca ande com o vidro aberto em estrada de terra. A trepidação pode causar trincas.
  • Use apenas uma flanela, água e detergente neutro para limpar a parte de dentro dos vidros. A película interna pode se riscar ou se soltar com produtos abrasivos e solventes. Também tome cuidado com anéis ou crianças com brinquedos.
  • Fuja da travessia de ruas alagadas. Se o carro ficar preso na água, a manta balística pode ser afetada pela umidade, o que reduz seu poder de proteção.
  • Ventosas de aparelhos GPS danificam o policarbonato da parte interna do vidro, o que pode comprometer a eficácia da proteção.
  • Variações bruscas de temperatura também devem ser evitadas, há risco de ocorrer trincas na blindagem e a exposição ao calor intenso pode provocar a delaminação dos vidros.

Níveis de proteção

tabela balistica

FIT-ANTES-DEPOIS-R8